LUCK 101

Olá pessoal, tudo bem?

Nesse último domingo tivemos um Battle Report bastante interessante, que mais uma vez levantou a temática “existe sorte no jogo?” entre os jogadores da comunidade.

Aqui está o jogo, para assistir. De preferência, só continue a leitura DEPOIS de assistir o jogo!

Um jogo incrível, narrado por um pessoal que entende do jogo, que foi cheio de reviravoltas e acabou no Final Salvo (o pênalti dos X-Wing).

Surgiu a dúvida e a inevitável discussão na comunidade: a sorte influenciou nesse jogo?

Eu fiquei com essa dúvida, e resolvi contar os resultados e fazer uma breve (ou, não tão breve) análise, que vou demonstrar a título de informação, somente – como participei do jogo, vou procurar não opinar sobre as situações do jogo – e pelo mesmo motivo farei a análise em terceira pessoa.

Inicialmente, é preciso consolidar alguns conceitos. Sorte (ou azar), refere-se à probabilidade aplicada à rolagem de dados. Não se trata apenas das jogadas positivas, visto que as modificações ajudam (e vocês vão ver aqui o quanto isso é importante) na sua “sorte” (ou probabilidade, como preferir chamar). A conclusão desse conceito é: pra saber se a sorte influenciou no jogo, alguns fatores precisarão ser desconsiderados para sabermos a real influência do “acaso” nas rolagens de dados e, ocasionalmente, no jogo.

Posto isso, para conhecer a influência do fator “sorte” nesse jogo, será preciso isolar as modificações utilizadas (que influenciam nas estatísticas finais das rolagens) para extrair somente o resultado dos dados arremessados NA PRIMEIRA VEZ (ou, como chamaremos aqui, rolagens naturais). A pilotagem também não entra nessa estatística, pois as decisões futuras são totalmente dependentes dos resultados anteriores e não teríamos como prever o que seria do jogo no final –  temos apenas os dados concretos do que aconteceu para avaliar essa partida.

Fiz a análise de todas as jogadas de dados vermelhos e verdes desse jogo (incluindo os asteroides, dados para cartas e final salvo). Veja só os resultados:

Dados vermelhos jogados: 42 Jobz, 27 Diogo. Dados verdes jogados: 15 Jobz, 12 Diogo.

Analisando essa quantidade de dados, consegue-se perceber qual dos jogadores teve mais oportunidades de ataque a seu favor, através de sua pilotagem e/ou escolhas de posicionamento durante o jogo (desconsiderando os dados de cartas e asteroides foram 39 dados vermelhos para o Jobz e 26 para o Diogo).

Logo após, temos os resultados favoráveis (hits + crits) jogados naturalmente (sem modificação) de ambos os jogadores:

Jobz: Vermelhos 57,1% (24 dados, 20 hits e 4 críticos), Verdes 33,3% (5 evades), resultados naturais.

Diogo: Vermelhos 63% (17 dados, 7 hits e 10 críticos), Verdes 41,7% (5 evades) resultados naturais.

Embora o esquadrão do Diogo seja famoso pelas modificações, notou-se que nos dados ofensivos, durante o jogo todo, não foi necessária a utilização do talento de elite “Predator”, sendo que apenas as modificações de ataque do Rear Admiral Chiraneau e do Palpatine foram suficientes para converter 96,3% dos dados do Diogo em Hits. Desprezando os dados do Final Salvo, 100% dos dados vermelhos jogados pelo Diogo foram acertos naturais ou convertidos em acertos, de alguma forma. O único dado vermelho que ficou “blank” em todo o jogo, foi um dos dados do Final Salvo.

Outro ponto importante para se salientar é que o número “padrão” ou “esperado” para comparação das jogadas naturais é de 50% para os dados vermelhos (metade dos resultados são favoráveis) e 37,5% para os dados verdes (3 dos 8 lados do dado são favoráveis). Considerando isso, pode-se dizer que os 2 jogadores tiveram resultados em rolagens naturais acima da média esperada pela quantidade de faces disponíveis nos dados. Quando comparados os resultados dos dados verdes, percebemos que as rolagens naturais de dados verdes do Diogo foram acima do esperado enquanto as jogadas do Jobz foram abaixo do esperado.

Obviamente, quanto mais dados jogados, a tendência da apuração de rolagens naturais chegarem no esperado é maior, ou seja, quanto mais dados você joga, mais próximo da média fica (reduzindo ou aumentando seus índices, sempre chegando próximo dos percentuais esperados). Isso é uma medida importante de avaliação quando se pretende avaliar a performance do seu esquadrão no jogo.

Jogadores de Triple Defenders e Attanni Mindlink sabem bem disso, muitos dados + aplicação de foco para aumentar o “esperado”em 25% a mais para ataque e defesa ajudam a não só ajustar as possíveis variâncias (como no caso do Triple Defenders, que é um esquadrão de consistência) quanto os focos livres do Attanni ajudam a melhorar a média geral de resultados favoráveis no jogo todo (as torres ajudam nessa eficiência devido aos ataques em praticamente todos os turnos).

Ora, as modificações e a mão do jogador na hora de decidir o que usar e quando usar garantiram um acréscimo de eficiência de aproximados 19% nos resultados de ataque do Jobz e de incríveis acréscimos de 33% na efetividade dos dados de ataque e de 53% na sua defesa (apenas um dado resultou em blank no jogo todo) – é indiscutível que a participação ativa do jogador nos recursos de seu esquadrão garante-lhe melhor performance no jogo.

Se analisarmos apenas as jogadas críticas (com e sem modificação), temos mais números mais interessantes:

Jobz: 15,6% dos resultados acertos foram críticos (32 acertos totais, 4 críticos naturais (12,5%) e 1 modificado (3,1%)).

Diogo: 65% dos resultados acertos foram críticos (26 acertos totais, 10 críticos naturais (38,5%) e 7 modificados (26,9%)).

Nesse quesito, os resultados naturais de jogada do Diogo foram tão impressionantes que na rodada 5 de combate a habilidade do Chiraneau não foi utilizada (3 crits e um foco, convertido pelo Palpatine para Crítico), e no turno seguinte um dos 3 hits naturais foi convertido para crítico pelo Palpatine.

Um efeito interessante é que ao assistir o jogo não temos a percepção dessa quantidade elevada de críticos naturais do Diogo, visto que o seu efeito prático no jogo é mascarado pelas modificações do esquadrão (que todo turno “fabrica” críticos pela habilidade do Piloto + Palpatine, ou seja, ele teria como “garantir” 8 críticos o jogo todo utilizando as modificações do squad).

Mas se a quantidade de jogadas de dados dos jogadores foram diferentes e as habilidades estão envolvidas, como saber se esses números tiveram impacto no jogo?

Uma maneira que encontrei de verificar isso é avaliar uma hipótese onde invertemos “a mão” (ou a “sorte”) de cada jogador, multiplicando os índices de jogadas naturais pela quantidade de dados jogados de um jogador para seu adversário (como se um jogasse os dados pelo outro):

Hits Naturais: Jobz 11, Diogo 13 (no jogo Jobz 20, Diogo 7) usando índice do adversário.

Críticos Naturais: Jobz 16, Diogo 3 (no jogo Jobz 4, Diogo 10) usando índice do adversário.

Quando aplicamos nos dados defensivos, temos:

Evades Naturais: Jobz 6, Diogo 4 (no jogo Jobz 5, Diogo 5) usando o índice do adversário.

É certo que as modificações agiriam também sobre esses números e também é certo que as decisões de manobras e uso de recursos poderiam mudar com base a esses números (gerando novos desdobramentos), mas o resultado é bem prático: os críticos do Jobz quadruplicariam utilizando os índices do Diogo e a defesa efetiva do Diogo seria reduzida em 1 utilizando os índices do Jobz.

É bastante difícil opinar sobre esse jogo, afinal, ele teve diversos momentos e cada um tem seu set de estratégia para pensar os eventos desse jogo cheio de reviravoltas – e por razões óbvias não vou opinar. Vou deixar você criar e trabalhar a sua teoria e, se quiser, fique à vontade para comentá-la no site.

Poderia também falar sobre a probabilidade das cartas de dano crítico que saíram no jogo, visto que teve um no começo do jogo que desfavoreceu o Jobz, fazendo-o perder uma importante modificação no terceiro turno de combate, ou mesmo um outro crítico na última rodada, que deu ao Jobz a oportunidade de disputar o Final Salvo, esses são eventos aleatórios e também poderiam ser calculados individualmente.

Segue a tabulação que fiz do jogo, para fins dessa análise (que, obviamente, pode melhorar em alguns aspectos):

Jobz
Ataque Defesa
Jogados Dam. Input Hits Nat. Hits Mod. Críticos Nat. Críticos Mod. Críticos TT Jogados Evades Totais Evades Nat. Evades Mod.
R1 7 5 4 1 0 0 0 3 1 1 0
R2 6 5 3 1 0 1 1 0 0 0 0
R3 9 4 3 0 1 0 1 4 1 0 1
R4 3 3 0 3 0 0 0 2 1 1 0
R5 4 4 3 1 0 0 0 2 2 2 0
R6 4 4 2 1 1 0 1 2 1 1 0
R7 4 4 2 0 2 0 2 2 0 0 0
FS 5 3 3 0 0 0 0 0 0 0 0
TT 42 32 20 7 4 1 5 15 6 5 1
Diogo
Ataque Defesa
Jogados Dam. Input Hits Nat. Hits Mod. Críticos Nat. Críticos Mod. Críticos TT Jogados Evades Totais Evades Nat. Evades Mod.
R1 3 3 0 2 1 0 1 6 5 2 3
R2 1 1 1 0 0 0 0 3 3 1 2
R3 4 4 0 0 2 2 4 0 0 0 0
R4 3 3 1 0 1 1 2 0 0 0 0
R5 4 4 0 0 3 1 4 0 0 0 0
R6 3 3 2 0 0 1 1 3 3 2 1
R7 4 4 1 0 1 2 3 0 0 0 0
FS 5 4 2 0 2 0 2 0 0 0 0
TT 27 26 7 2 10 7 17 12 11 5 6

2 comentários em “LUCK 101

  • 09/29/2017 em 2:32 pm
    Permalink

    Não vi o jogo mas vale ressaltar que o crítico que o Diogo tira na decimator e sempre o de reduzir a agilidade. hehehe. Algo a melhorar e q o artigo não teve conclusão nenhuma, mas eu acho q sim, em jogos isolados a sorte conta muito. Afinal contar o Diego meu Vader morreu em dois tokens d cluster (sabine), e contra o Tadeu passei em 5 tokens com o mesmo Vader sem perder um escudo sequer.

    Vocês dois são sempre adversários muito duros. E sempre bom jogar contra vocês porque isso no geral significa que estamos indo bem nos torneios.

    Vida longa a esses jogos.

    Resposta
  • 09/29/2017 em 5:21 pm
    Permalink

    Regra da vida: Se tem dado, tem sorte e azar. A gente do Destino sabe muito bem disso, infelizmente hahaha vídeo irado, galera! 😀

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *