Auzituck e Fair Ship Rebels 2.0

You know I’m starting to get a reputation back at the base? The droids call me The Great Destroyer. – Jess Pava

 

Sejam bem-vindos caros leitores! Hoje falaremos sobre um esquadrão que causou bastante polêmica devido a sua eficiência e o seu Jousting Value, o famigerado FSR 2.0, ou Fair Ship Rebels. Estou voando com esse arquétipo já faz algum tempo (comecei um pouco depois do último Nacional e descrevo o esquadrão que passei a usar aqui), e me divirto bastante com ele.

A polêmica em torno do esquadrão começou com um post do autor do MathWing no fórum da FFG (se quiser ler o post original basta clicar aqui). Segundo as suas contas, o Jousting Value (JV daqui em diante) era superior ao do temido Paratani, até outrora o esquadrão mais eficiente já criado no jogo.

O esquadrão é composto por quatro naves:

  • Duas X-Wings, sendo uma delas a T-65 (pilotada pelo Biggs) e a outra uma T-70 (pilotada pela Jess);
  • Uma Tie Fighter (pilotada pelo Rex);
  • Uma Auzituck (pilotada pelo Lowhhrick).

Em geral os upgrades utilizados são:

  • R4-D6 e Integrated Astromech no Biggs;
  • R2-D6 e Draw Their Fire na Jess;
  • Selflessness no Lowhhrick.

Existe algum grau de customização em relação aos crews que vão no Lowhhrick e as modificações e Tech que vão na Jess (Rex vai invariavelmente sem nenhum upgrade), em geral os mais usados são:

  • Wookiee Commandos, Rey, Chopper, Tactician no Lowhhrick;
  • Pattern Analyser, Primed Thrusters, Integrated Astromech, Autothrusters na Jess.

O arquétipo começou a se espalhar mundo a fora logo após o lançamento da Wave 11 e hoje aparece no Meta Analyser do Juggler como a quarta lista mais jogada! Tivemos dois jogadores voando esse arquétipo no Top 16 do Campeonato Norte Americano deste ano disputado durante a GenCon, o que mostra a força do esquadrão.

Após esta pequena introdução este artigo contém mais duas partes: Na primeira deixo as minhas impressões sobre como voar o esquadrão, já na segunda parte dou algumas dicas do que fazer quando você se deparar com um desses do outro lado da mesa.

Jogando com o FSR 2.0

Como todo bom esquadrão rebelde, sua força está na sinergia entre as habilidades dos pilotos e seus upgrades. Ao voar com esse esquadrão é preciso esquecer que você está usando quatro naves diferentes, e imaginar que elas são apenas uma nave. Jess seria o ataque, Biggs a defesa, Rex e Lowhhrick seriam a habilidade do piloto.

É extremamente importante que as quatro naves voem SEMPRE em bloco, uma vez que estar a range 1 umas das outras é a grande restrição para se usar as habilidades dos pilotos e upgrades. A ideia é absorver e espalhar o dano mantendo o Biggs vivo o maior tempo possível, fazendo assim com que as outras naves do esquadrão tenham mais tempo para atacar o inimigo com focus firing, acabando com as naves adversárias.

Ao usar a Rey no Lowhhrick, é interessante arrastar o jogo para que você possa acumular o maior número de tokens de focus possível antes do primeiro engage, já que a partir dali o Lowhhrick SEMPRE fará a ação de Reinforce. Biggs fará sempre focus e o guardará para a defesa.

Jess em geral também fará apenas a ação de focus, já que conta com uma habilidade para re-rolar seus dados. Em alguns casos vale apena usar uma ação de boost para tentar um bloqueio ou simplesmente para reposicioná-la para manter a formação.

Para arrastar o jogo, é possível bater o Rex sempre atrás de uma de suas naves, já que no começo do jogo suas ações não farão muita diferença. Durante a fase de combate é recomendado que se faça um evade no caso de existir a possibilidade dele ser atacado. Não existindo essa possibilidade pode-se fazer um focus, ou um barrel roll em caso de necessidade de reposicionamento do esquadrão.

Como eu já disse anteriormente, a coisa mais importante e difícil nesse esquadrão é manter a formação. Por isso é necessário bastante treino. Ensaie diferentes aberturas, pense bem na hora da colocação dos obstáculos, deixando os espaços necessários para que você possa se movimentar sem dificuldades. Descubra qual a maneira mais eficiente de trazer a Auzituck de volta para o combate após a primeira passada (já que a nave não possui o K-Turn no dial).

Ao movimentar o esquadrão pense sempre dois ou três movimentos à frente. Tente visualizar os movimentos que lhe darão a maior quantidade de ataques contra o seu oponente, mantendo sempre o maior arco de tiro possível.

Jogando contra o FSR 2.0

A primeira coisa a se fazer é NÃO ir de frente contra ele. Se esse é o esquadrão com o maior JV do jogo, é importante negar essa vantagem ao oponente. Não é muito difícil explorar os blind spots do esquadrão já que a sua mobilidade é bem reduzida graças aos dials “duros” e a necessidade de se voar em bloco para aproveitar ao máximo as sinergias do esquadrão.

A segunda coisa a se fazer é tentar quebrar a formação do alvo. Use uma de suas naves como isca e voe pelo campo de asteroides, solte bombas, tente bloquear alguma das naves inimigas, enfim, seja criativo e force o seu oponente a tomar uma decisão que quebre a formação ou o coloque em uma posição ruim. Aproveite a diferença dos dials (a Tie Fighter em geral é um fator limitante de movimentação do esquadrão por ter o dial mais destoante das demais naves), abuse do fato da Auzituck não possuir K-Turn e demorar mais para virar.

Por hoje é só pessoal. Se você voa com uma versão do FSR 2.0 ou já voou contra, sinta-se livre para compartilhar suas experiências com todos através da seção de comentários desse artigo. Continuem ligados no Red 5 para mais conteúdo sobre X-Wing!

Um comentário em “Auzituck e Fair Ship Rebels 2.0

  • 09/26/2017 em 11:30 am
    Permalink

    Eu estive jogando com uma versão de FR usando a Arc no lugar da Azituck, e uma coisa bem importante é aprender a voar dentro dos asteroides em formação; uma das coisas que provavelmente vai acontecer é seu oponente te forçar a voar no meio deles – e se você dominar a arte de conseguir se manter em formação (praticamente sem reposicionamento por conta das naves envolvidas), você terá uma grande vantagem – tem alguns videos desse squad no canal do pew pew pew team

    Além disso, no FR 2.0, algumas vezes acontece de você não perder nenhuma nave, portanto derrubar QUALQUER nave inimiga muitas vezes é o suficiente para a vitória, vale a pena planejar seus movimentos com esse pensamento. Eu partircularmente não gostei de jogar seguindo essa filosofia, e percebi que apesar de movimentá-lo bem o time não era para meu perfil – minha variante é muito mais agressiva e no geral consegue ganhar somente se derrubar todo o time adversario (vide jogo contra Juarez https://www.youtube.com/watch?v=AQTUHRri3sI e contra o Jobz https://www.youtube.com/watch?v=6cAvB-qKfRA)

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *